14 de novembro - 2018  

O que é argamassa estabilizada? Quando devo usá-la?

A sustentabilidade nunca esteve tão em alta no setor de construção. E, entre as várias possibilidades para realizar obras que impactem cada vez menos o meio ambiente, está o uso da argamassa estabilizada. Continue a leitura e saiba mais sobre esse assunto.

O que é a argamassa estabilizada?

A argamassa estabilizada é aquela que já vem úmida e pronta para o uso. É composta de: cimento, água, areia e aditivos especiais que, quando são misturados, mantém as características em estado fresco por mais tempo. Isso faz com que a argamassa estabilizada ofereça mais facilidade de logística e também de aplicação nas obras. Apesar dessas diferenças, a argamassa estabilizada possui um comportamento bastante similar aos das argamassas tradicionais.

No que diz respeito à sustentabilidade, a principal vantagem da argamassa estabilizada é que ela gera menos desperdício, evitando a contaminação do meio ambiente e, claro, reduzindo os custos da obra.

Onde a argamassa estabilizada pode ser aplicada?

Após a aplicação, a argamassa estabilizada possui um comportamento similar à argamassa tradicional. Imagem: Bennter.

Após a aplicação, a argamassa estabilizada possui um comportamento similar à argamassa tradicional. Imagem: Bennter.

A única ressalva diz respeito às aplicações em camadas espessas, em substratos de baixa absorção e com temperaturas mais baixas. Como o seu comportamento depende da perda de umidade, o uso da argamassa estabilizada pode necessitar de um período maior entre o lançamento na parede e o corte e desempeno.

As principais indicações para o uso da argamassa estabilizada são:

  • assentamento de blocos ou tijolos de concreto e cerâmicos;
  • reboco ou emboço de paredes internas com ou sem revestimento;
  • reboco ou emboço de paredes externas sem revestimento cerâmico;
  • chapisco;
  • regularização de pisos;
  • enchimento de tubulações;
  • rejunte;
  • impermeabilização de locais inundáveis;
  • soleiras, marquises e sacadas;
  • rejunte de telhas.
O fornecimento da argamassa estabilizada é feito por caminhões betoneira, da mesma forma que o concreto, e pode ser bombeada até o local de aplicação ou transportada de maneira convencional.

O fornecimento da argamassa estabilizada é feito por caminhões betoneira, da mesma forma que o concreto, e pode ser bombeada até o local de aplicação ou transportada de maneira convencional.

O fornecimento da argamassa estabilizada é feito por caminhões betoneira, da mesma forma que o concreto, e pode ser bombeada até o local de aplicação ou transportada de maneira convencional.

O transporte vertical da argamassa estabilizada dentro da obra costuma ser feito através de mini gruas ou por elevadores e o transporte horizontal através de jericas, que depositam o material em recipientes (masseiras) específicos para o uso.

Normalmente, a argamassa é descarregada em caixas plásticas de 0,20m³ a 1 m³ e precisam ser consumidas uma de cada vez. Isso acontece porque o fornecimento de argamassa para o canteiro de obras é diário e feito até que toda a demanda do material seja suprida. Não se pode misturar, na mesma caixa, uma argamassa nova com outra mais antiga.

Quais as vantagens do uso da argamassa estabilizada?

Nós já citamos algumas vantagens neste artigo, mas o uso da argamassa estabilizada possui ainda outros pontos positivos bem interessantes. Veja alguns:

  • redução de custos, já que elimina o valor relacionado ao equipamento de mistura e ainda reduz os custos com energia elétrica e água para o funcionamento desses mesmos equipamentos;
  • otimização do espaço no canteiro de obra;
  • maior precisão no cálculo de consumo e também de custos com a argamassa;
  • ausência de sacarias para descarte, o que contribui para o meio ambiente e também para a limpeza da obra;
  • facilidade de manuseio e eliminação da etapa de preparo;
  • maior controle tecnológico devido ao traço pronto e uniforme;
  • economia com mão de obra;
  • mais agilidade na etapa de alvenaria;
  • redução das perdas de materiais;
  • facilidade de carga e descarga;
  • melhor homogeneidade e permeabilidade;
  • menor esforço do pedreiro e retira do mesmo a necessidade de fabricação da argamassa.

Porém, para que se possa aproveitar todos esses benefícios na obra é muito importante estar bem informado sobre a argamassa estabilizada, cuidando para que as quantidades do produto sejam suficientes para o dia de trabalho e sempre calcular um estoque para o início do próximo dia.

Cuidados em relação ao uso da argamassa estabilizada

Um ponto que merece cuidado é em relação às peças de alvenaria, que precisam estar úmidas o suficiente para a aplicação da argamassa.

A altura das fiadas também necessita de cuidado, evitando executar muitas fiadas em um só dia, para não correr o risco de amassar o cordão de argamassa das fiadas iniciadas.

Nos dias de ventos fortes ou de temperaturas mais altas, a argamassa precisa ser curada, já nos dias de chuva é preciso suspender a operação, principalmente caso a parede não esteja protegida, evitando, assim, possíveis erosões nas juntas.

Além disso, outras recomendações são importantes, como:

  • não usar a argamassa estabilizada para reboco ou emboço de paredes externas que já estejam com revestimento cerâmico;
  • quando não for usar a argamassa, deixá-la protegida do sol, do vento e da chuva, sob uma película fina de água;
  • quando descarregadas, a argamassa deverá permanecer em caixas estanques de plástico ou de metal e em uma superfície plana;
  • nunca adicione outros componentes à argamassa;
  • não utilize a argamassa estabilizada após 24 horas, mesmo que ela esteja apresentando um aspecto fresco.

E, então, depois dessas dicas você já pensa em usar a argamassa estabilizada nas suas obras? Aproveite e continue navegando no nosso blog para ver outros assuntos interessantes sobre construção. E, se ficou com alguma dúvida, não deixe de escrever nos comentários abaixo que iremos respondê-la.